Fundos Diluídos

A Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF) é cotista de três fundos garantidores diluídos, que são fundos de direito privado, criados com a participação da União, e cujas operações são consideradas de pequena monta e diversificadas, ou seja, em que o risco é diluído. São os fundos em que a ABGF é cotista.

Em dezembro de 2013, foi autorizado o aumento do capital social da ABGF mediante à transferência da totalidade das cotas de propriedade da União no Fundo Garantidor para Investimentos (FGI), no Fundo de Garantia de Operações (FGO), e no Fundo Garantidor da Habitação Popular (FGHab). Em maio de 2016, foi efetivada a transferência da totalidade das cotas nos fundos FGI e FGO e parcial das cotas no fundo FGHab pertencentes à União para a ABGF, o que elevou o capital social da empresa para R$ 2,071 bilhões.

Fundo Garantidor para Investimentos (FGI)

Fundo Garantidor para Investimentos (FGI) é administrado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e tem por finalidade garantir direta ou indiretamente o risco de financiamento de empréstimos concedidos a micro, pequenas e médias empresas, microempreendedores individuais e autônomos transportadores rodoviários de carga na aquisição de bens de capital inerentes a sua atividade.

Fundo Garantidor da Habitação Popular (FGHab)

Fundo Garantidor da Habitação Popular (FGHab) é administrado pela Caixa Econômica Federal e tem por finalidade garantir o pagamento aos agentes financeiros de prestação mensal de financiamento habitacional do sistema financeiro da habitação, devida por mutuário, em caso de desemprego e redução temporária da capacidade de pagamento e assumir o saldo devedor do financiamento imobiliário em caso de morte e invalidez permanente e as despesas de recuperação relativas a danos físicos no imóvel.

Fundo de Garantia de Operações (FGO)

O Fundo de Garantia de Operações (FGO) é administrado pelo Banco do Brasil e tem por finalidade garantir parte do risco dos empréstimos e financiamentos concedidos pelas instituições financeiras cotistas do fundo, para micro, pequenas e médias empresas, microempreendedores individual e autônomos transportadores rodoviários de carga, na aquisição de bens de capital inerentes a sua atividade.